0 Menu

O Tempo dos Assassinos - Um Estudo sobre Rimbaud

Henry Miller

13.50

pvp 15 | preço web 13.50

Só a perfeição pode apagar a memória de uma ferida que corre mais fundo do que a torrente da vida.

Em 1927, na cave de um sórdido prédio de Brooklyn, Henry Miller ouvia pela primeira vez o nome de Rimbaud. Anos depois, em Los Angeles, escrevia febrilmente versos do poeta nas paredes da casa que habitava, e, em 1945, surgiam as primeiras linhas d’O Tempo dos Assassinos (1946), um dos mais apaixonantes estudos sobre o poète maudit. Em plena era atómica, no precipício da aniquilação, a identificação entre os dois gigantes da literatura subversiva foi fulminante, e Miller ouvira em Rimbaud o apelo de um profeta do colapso da civilização, de um pária como ele, revendo-se na revolta contra o mundo, nas adversidades e na itinerância do seu escritor predilecto. Fundindo biografia e reflexão, O Tempo dos Assassinos, a pretexto da vida de Rimbaud, explora a função social e os dilemas do artista de génio que se recusa a ceder a uma era em que a sociedade sufoca o vital instinto criador.

Henry Miller (1891-1980) fez da escrita uma arma branca cujo afiado gume se cravou na sociedade americana, anestesiada por uma pseudofelicidade de subúrbio. Sobreviveu a uma dura infância em Brooklyn, ao desajustamento da vida citadina em Nova Iorque, pediu esmola nas ruas de Paris e, já consagrado, travou uma longa batalha pela liberdade de ver nas livrarias americanas Trópico de Câncer (1934) e Trópico de Capricórnio (1939). Granjeou fama de visionário e sábio de Big Sur, onde viria a escrever Pesadelo em Ar Condicionado (1945) e Os Livros da Minha Vida (publicado pela Antígona em 2006), entre outras obras. Legou-nos uma duradoura incomplacência com a mediocridade e a esperança no homem alheado das massas.

  • Título original The Time of the Assassins
  • Tradução José Miranda Justo
  • Ano de edição 2016
  • N.º pp. 160
  • ISBN 978-972-608-283-5