0 Menu

O Eclipse da Razão

Max Horkheimer

14.40

pvp 16.00 | preço web 14.40

Tendo por génese um conjunto de palestras dadas na Universidade de Columbia em 1944, O Eclipse da Razão (1947) traça a história da degeneração do conceito de razão na filosofia e na sociedade ocidental. Este fenómeno, que se acentuou desde o Iluminismo, redundou na instrumentalização dessa noção maior em nome de um pragmatismo que é a essência da violência totalitária, reduzindo tudo e todos a meros instrumentos. Na sociedade contemporânea massificada, em que o indivíduo é forçado a adoptar um cínico conformismo, Horkheimer identifica o supremo paradoxo: ao longo da história, a racionalidade e o progresso técnico não significaram a emancipação desejada; redundaram somente na anomia e numa neobarbárie, obliterando o homem.

Max Horkheimer (1895-1973) dirigiu o famoso Instituto de Investigação Social, em Frankfurt, e forneceu-lhe novas orientações teóricas: a filosofia social e a teoria crítica, um programa de revitalização da crítica cultural e social. Foi uma figura cimeira da Escola de Frankfurt, grupo que reunia, entre outros, Theodor W. Adorno, Erich Fromm, Friedrich Pollock, Leo Löwenthal e Walter Benjamin. Após o encerramento da instituição, decretado pelos nazis em 1933, foi forçado a exilar-se na Suíça e, posteriormente, nos Estados Unidos, onde, em 1944, publicou Dialéctica do Iluminismo (em co-autoria com Theodor W. Adorno), uma análise da crise profunda da Modernidade. A amizade de longa data e a colaboração entre os dois filósofos resultaram em notáveis contributos para a filosofia contemporânea.