0 Menu

Manuscrito Corvo

Max Aub

13.50

pvp 15 | preço web 13.50

Os homens fazem o que não querem. Para alcançarem este objectivo, tão absurdo em nosso entendimento, inventaram quem mande neles.

Uma das obras mais singulares de Max Aub, Manuscrito Corvo (1955) é o caderno de notas de um certo corvo Jacobo, em que o nosso alado narrador relata, com ironia e em prol da comunidade corvina mundial, as suas impressões sobre a estranha espécie humana. E é num dos «centros culturais de maior nomeada» – o campo de concentração de Vernet, onde Max Aub esteve encarcerado nos anos 40 – que Jacobo perscruta o quotidiano, perplexo com a irracionalidade e os absurdos das criaturas sem penas. Neste tratado sobre a condição do Homem, sobre as suas contradições e supostas certezas, resta ao sagaz pássaro concluir que, depois de tudo observar, o melhor é voar dali para fora.

Mestre do humor negro e do ilusionismo literário, Max Aub Mohrenwitz (1903-1972) nasceu em Paris, filho de pai alemão e de mãe francesa. «Espanhol por decisão e exilado por destino», nas palavras de Juan María Calles, mudou-se para Valência em 1914, com a eclosão da Primeira Guerra Mundial, tendo adoptado o espanhol como língua de criação. Em 1942, procura exílio no México, onde viria a morrer. Novelista e dramaturgo, cultivou também a poesia, o conto e o ensaio. É autor de mais de 40 títulos, entre os quais Crimes Exemplares (1957), publicado pela Antígona em 1982. Em toda a sua obra soube unir prosa de vanguarda e comprometimento social, e, com uma assombrosa versatilidade, destruiu fronteiras entre géneros.

  • Título original Manuscrito cuervo
  • Tradução e prefácio Júlio Henriques
  • Capa Ricardo Castro
  • 1.ª edição 2017
  • N.º pp. 176
  • ISBN 978-972-608-299-6