0 Menu

Golpes

Jean Meckert

14.85

pvp 16.50 | preço web 14.85

«Ela devorava tudo sem olhar, empanturrava-se de palavras. O que a movia não era tanto a cultura, mas a cavaqueira. Aceitava mal não ter uma palavra a dizer sobre qualquer assunto, preferia o paleio informe ao silêncio. Talvez esteja errado, mas não gosto dos conversadores. Da mesma maneira que a moda é feita para as pessoas sem gosto, a cavaqueira é o disfarce daqueles que não têm nada na cabeça, é a grande busca do impasse a que chamamos infinito, é a grande fraude civilizada, aquilo que vemos de fora, o grelado, o falhado.»

Primeiro romance de Jean Meckert, Golpes (1942), elogiado por André Gide, é a história do amor (e do desamor) que une o taciturno Félix e a palavrosa Paulette. Nas suas páginas incisivas e lúcidas, Meckert expõe sem piedade o mecanismo da incompreensão mútua, a violência conjugal e a insatisfação do casal. Se Paulette – cuja moral é «a das cartas das leitoras das revistas femininas, toda essa confusão turva que cheira à purulência das mudanças de estação» – crê ascender socialmente cultivando gostos e valores tidos por refinados, ele, ao invés disso, é visceralmente avesso à hipocrisia, às convenções e ao conformismo, que o condenam a um insípido matrimónio. Um romance que Meckert elege como campo de batalha das palavras, onde a sua arma – a expressão nua e crua – derrota os exércitos de lugares-comuns que nos cercam.

Jean Meckert (1910-1995) é uma figura rebelde das letras francesas e autor de uma vasta obra que se reparte por romances policiais (sob o pseudónimo Jean Amila), peças de teatro e guiões. Conheceu precocemente o desespero e guardará da sua infância a repulsa pelo ensino religioso e a memória da fome. Apaixonado pela literatura, mas forçado a deitar a mão a todo o tipo de trabalhos precários, é no fim dos dias de trabalho extenuante que se dedica à escrita. Foi mobilizado em 1939, e a experiência da guerra viria a despertar nele um profundo antimilitarismo. É autor de Abismo e Outros Contos, publicado pela Antígona em 2013.

  • Tradução Luís Leitão
  • Ano de edição 2015
  • N.º pp. 272
  • ISBN 978-972-608-260-6