0 Menu

As Veias Abertas da América Latina

Eduardo Galeano

19.80

pvp 22 | preço web 19.80

Foi nas noites em claro da vibrante Montevideu dos anos 70 que Eduardo Galeano escreveu esta «bíblia da América Latina», um clássico do anti-imperialismo e símbolo, infelizmente actual, da luta contra a opressão. Banido por ditaduras sul-americanas, As Veias Abertas (1971) é o relato implacável de cinco séculos de pilhagem de um promissor continente pela Europa e pelos EUA e uma obra essencial sobre a exploração do homem pelo homem. Esta contra-história notável de um continente exangue, fundindo crónica e relato, dados económicos e sociais, devolve-nos o olhar dos vencidos e traça as injustiças e o saque constante operado pelo estrangeiro, desde a chegada dos primeiros conquistadores até à ocupação pelas multinacionais norte-americanas. Inspirou e continuará a inspirar gerações de activistas em todo o mundo.

Eduardo Galeano (1940-2015) – «inimigo da mentira e da indiferença», segundo John Berger – notabilizou-se como um dos mais apaixonados activistas e intelectuais latino-americanos. Nos cafés de Montevideu, despertou para o «arco-íris da humanidade», para o colorido das gentes e dos pequenos gestos e aprendeu a escutar a dignidade das vozes das ruas. Com um percurso intensamente político, Eduardo Galeano foi, nos anos 60, editor do mítico Marcha, principal jornal de esquerda uruguaio, e, se sonhara ser jogador de futebol em criança, cedo se tornou um ponta-de-lança dos oprimidos e dos sem-voz, fintando o silêncio a que estavam condenados. A publicação de Veias Abertas condenou o autor à prisão e forçou-o ao exílio na Argentina, onde esteve nas listas dos esquadrões da morte, e em Espanha. A sua voz alimentou o fogo de movimentos contestatários, ecoou entre o nevoeiro do Chiapas, em 1996, e entre os indignados de Madrid, em 2011. Na sua obra premiada, alheia a géneros, destacam-se a trilogia Memória do Fogo (1982-86), O Livro dos Abraços (1989), Palavras Andantes (1993), Espelhos (2008) e Mulheres (2015).

  • Título original Las venas abiertas de América Latina
  • Tradução Helena Pitta
  • Nota preliminar Júlio Henriques
  • 1.ª edição 2017
  • N.º pp. 472
  • ISBN 978-972-608-293-4