0 Menu

As Cores da Infâmia

Albert Cossery

13.50

pvp 15 | preço web 13.50

Não há nada de mais imoral do que roubar sem riscos. É o risco que nos diferencia dos banqueiros e dos seus émulos que praticam o roubo legalizado com a cobertura do governo.

Albert Cossery (1913-2008), em As Cores da Infâmia (1999), continua a perseguir a imbecilidade dos grandes deste mundo, para ele uma fonte de inspiração inesgotável. No seu derradeiro livro, o mestre da preguiça e ocioso impenitente prossegue a gesta dos anti-heróis das ruelas do Cairo e conta a história de um ladrão inteligente e irónico que encontra na carteira de um promotor imobiliário sem escrúpulos uma carta que prova a sua responsabilidade no desabamento de um prédio de aluguer, causando a morte dos pobres inquilinos.
Para este escritor egípcio de língua francesa, que nasceu no Cairo e viveu desde 1945 num quarto de hotel em Paris, «não fazer nada é uma actividade interior», daí ter sido preciso esperar quinze anos por este último romance, onde são abordados todos os seus temas predilectos: o ódio aos nababos, a ironia em relação ao poder e o desejo de ver triunfar as únicas criaturas credoras da sua consideração, ou seja, aquelas que perceberam que a vida é outra coisa, e nada tem a ver com a posse de bens materiais.

  • Título original Les couleurs de l'infamie
  • Tradução Ernesto Sampaio
  • Ano da 2.ª edição 2016
  • N.º pp. 156
  • ISBN 978-972-608-120-3